Mashup, Bootleg e Remix. Qual a diferença?
15/09/2017 - 9h33 em Música

Mashup, Bootleg e Remix. Qual a diferença? Essa é uma dúvida comum entre DJs e aspirantes a produtores musicais, a persistência dessa insegurança pode causar muita confusão e até mesmo constrangimentos.

Vamos as diferenças:

O R I G I N A L
A ideia original sempre terá o respeito e a valorização máxima!
Uma faixa original pode mudar radicalmente a carreira de um anônimo, e da noite para o dia transforma-lo em um Super Star internacional. Pode até mesmo imortaliza-lo caso o produtor crie um novo gênero ou uma nova maneira de produzir.

Quem seria Avicii sem a “Levels”, Bob Sinclar sem “Love Generation”, Benny Benassi sem “Satisfaction” ou até mesmo Gui Boratto sem “Beautiful Life”?

R E M I X
A frase “O que é bom pode ficar ainda melhor” traduz perfeitamente o que é um remix.
O Artista envia para outros produtores um Remix Pack de sua faixa original contendo arquivos de áudio em Wave (Bass, Synth, FX, Drums…) e arquivos no formato MIDI (Sequências de Melodias, Pads, Strings, Bassline…). Cada produtor utiliza essa ferramenta como guia para contar a mesma história, mas de uma maneira diferente e seguindo seus estilos pessoais. Quanto mais versões uma faixa tiver, mais admiradores com gostos diferentes ela pode conquistar.

Reciclagem – Sabemos que quanto mais a música eletrônica amadurece, mais ela se torna descartável, o que tocava no ano passado você não tem coragem de tocar esse ano, o que você produz hoje, certamente daqui a três meses poderá soar com cara de velho. A e-music é tão versátil que sempre está surgindo timbres novos e os velhos vão “perdendo a graça”. Sorte que as Melodias e os Vocais sobrevivem ao tempo, e graças ao Remix uma faixa que foi sucesso há uma década poderá voltar a ser sucesso com uma nova roupagem e com um novo gênero da atualidade.

Sim! Remix é a mágica transformadora da E-music!

B O O T L E G
Seria uma espécie de Remix Ilegal utilizando partes originais de uma faixa no Breakdown de sua produção. Essa parte pode ser não necessariamente uma música eletrônica, mas quem sabe um Reggae, um Rock, ou ainda uma Disco Music.
Ilegal, pois o artista oficial nem imaginam que sua faixa está sendo Sampleada de forma promocional. Por não ter direitos autorais, esse Bootleg não trará retorno financeiro para quem teve o trabalho de criar, mas pode ajuda-lo de forma involuntária a ganhar um empurrãozinho em sua carreira, pois se o Bootleg for bom estará automaticamente associando seu nome a uma faixa originalmente de sucesso.

Curiosidade – O DJ Australiano Christian Luke fez um Bootleg da música “Use Somebody” da Banda de Rock Americana Kings Of Leon. Inicialmente ele enviou o trabalho para a banda que imediatamente repudiou a ideia. Christian, mesmo assim, postou seu Bootleg em seu Soundcloud e o resultado foi surpreendente, rompeu barreiras e foi tocada no mundo todo. Após algumas semanas a assessoria da Banda voltou atrás, entrou em contato e licenciou o Bootleg em sua gravadora como um Remix Oficial. Resultado; o produtor ganhou destaque internacional e conquistou as pistas de todo o planeta. Recentemente o mesmo aconteceu com o produtor Oliver Heldens que teve seu Bootleg 2013 da faixa “Show Me Love” de Robin S. licenciada oficialmente pela gravadora Holandesa Spinnin’ Records.

M A S H U P
Para iniciantes pode ser o seu primeiro contato com a edição de áudio, para DJs pode ser o diferencial na sua discotecagem.
Mashup é simplesmente você pegar um Hit de sucesso de um produtor famoso e misturar com outro Hit de sucesso de outro produtor famoso, o resultado só pode ser um Mashup de sucesso, não é mesmo? Não, nem sempre!

A pesar de ser uma edição simples, para fazer um Mashup bem feito o DJ/Produtor tem que ter umas noções básicas de teoria musical, para escolher faixas que pertencem a mesma Escala Tonal e que tenham ritmos semelhantes. Adicione a essa receita uma dose extra de “bom senso” o resultado pode agradar seu público e surpreender a outros DJs na hora da discotecagem.

Desvantagem – O DJ acaba queimando dois ou mais Hits de uma vez só, imagina você entrar para tocar logo após um DJ que fez um Set repleto de Mashups?

Curiosidade – Hardwell talvez não fosse conhecido mundialmente como é hoje se não tivesse feito centenas Mashups, o sucesso era tão grande que ele chegava a lançar várias montagens por semana, até que foi repreendido via Twitter pelos Suécos Axwell e Sebastian Ingrosso. Não é pra menos! Hardwell usava faixas que eram lançamentos e disponibilizava o download gratuito para todos aqueles que, em troca, curtissem sua Fan Page. Ou seja, fazia chantagem por popularidade oferecendo ao público um material que não era de sua autoria e que não lhe pertencia. E pior, prejudicava a venda das Tracks Originais.

Resumindo, fazer uma Mashup é o mesmo que se satisfazer com o prazer dos outros, isso para não utilizar um termo popular mais chulo.

L I V E M A S H U P
Calma! Mashup ainda pode ser considerado a “cereja do bolo” e ser associada a verdadeira arte da discotecagem, isso se o DJ fazer todo o trabalho ao vivo e misturar duas ou mais faixas em seu Setup. Pode usar uma acapella consagrada em uma track instrumental, usar um loop de uma melodia em outra faixa, ou então, inverter o Breakdown de uma música com o Breackdown de outra.
O resultado pode ser incrível, certamente irá despertar a admiração do público ao perceber que o DJ está fazendo todo o trabalho manualmente, unindo os recursos de seu equipamento com os limites de sua criatividade.

Considerações finais:

Bom… É isso amigos!
Espero que o conteúdo do texto tenha ajudado a alguns e reforçado o conhecimento de outros.
Temos que dar o devido valor as informações e compartilha-las com os colegas de profissão.

A final, Disc-Jockey não é só baixar música e tocar, existe toda uma cadeia cultural que deve ser reconhecida e valorizada!

texto retirado http://www.phouse.com.br/mashup-bootleg-e-remix-qual-diferenca/

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
Mitos